A possibilidade de líderes desenvolverem resiliência em seus filhos

Autores: Mônica Martin, George Barbosa e João Marcos Varella

Muito se investe na capacitação de líderes dentro das organizações. A finalidade quase sempre é elevar de modo significativo a sua produtividade profissional. No entanto, ultimamente, temos debatido sobre como líderes podem vir a ser promotores de resiliência nos próprios filhos.  É de conhecimento amplo que a promoção de processos resilientes em uma pessoa pode prepará-la para superar problemas imprevistos e melhor enfrentar suas crises. Também é bastante difundido que o indivíduo influencia seus pares e demais colaboradores. Quando focamos nos líderes e seus filhos, como isso pode se dar?

O debate se pauta a partir dos conceitos da “Abordagem Resiliente” – teoria na qual a resiliência surge a partir dos modelos de crenças de uma pessoa. O que propicia-nos pensar que as crenças dos pais são compartilhadas com todo o grupo. Também que moldam as normas familiares e governam a vida familiar. Que, sendo explícitas ou implícitas, tais crenças proporcionam expectativas sobre papéis, ações e consequências que guiam a vida familiar. Por fim, que a maneira como líderes extraem sentido de uma situação de crise e atribuem significado pode ser fundamental para resiliência em casa. Essa concepção teórica também nos diz que há áreas específicas que constituem a resiliência.

 

Nesse artigo nos referimos a três delas, como segue:

  • ANÁLISE DE CONTEXTO

Líderes que são pais quando mantêm uma abertura para muitos pontos de vista, estilos de vida e percepções diferentes em seus filhos promovem na família o bom funcionamento no que se refere à resiliência. Os filhos necessitam aprender tais habilidades com seus pais.

  • AUTOCONTROLE

Líderes que desenvolvem em casa uma orientação global para serem bem compreendidos e significativos emocionalmente, retirando de cena a insensatez da impulsividade ou dos extremos, promovem resiliência nos filhos. Resiliência, em líderes ou pais, engloba a capacidade de expressar emoções na medida adequada ao estar envolvidos em problemas, a fim de que tais líderes (pais) pareçam ordenados, previsíveis, confiáveis e acessíveis aos filhos.

  • SENTIDO DE VIDA

É a área que possibilita haver perspectiva confiante face à adversidade. Facilita o “Norte” para os papéis e interações dentro de uma estrutura flexível (papéis estáveis e compartilhados, negociações abertas, etc.). Devido ao sentido de vida ser notório aos filhos, as fontes de estresse na rotina de vida são encaradas como desafios ao sucesso.

Concluímos mencionando que, na experiência prática ou em nossas pesquisas, a consequência de líderes-pais vivenciarem as áreas da resiliência, como essas mencionadas, é que eles estimulam adaptações psicoemocionais saudáveis a eventos inesperados que afetam fortemente nossas vidas e que provocam transformações nas estruturas de famílias inteiras.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *